Blog sobre cinema e o universo cinematográfico, principalmente o cinema europeu, asiático e independente, optando por abordar os filmes que não fazem parte do circuito conhecido como comercial.



quinta-feira, 6 de maio de 2010

Into the West (Into the West) - 2010


Mini-série em 6 episódios, retrata a colonização e fundação do oeste norte americano, uma superprodução envolvendo ninguém menos do que Steven Spielberg, que parece estar se especializando em mini-séries.

A série é um trama que acompanha basicamente os personagens de uma família, os "Wheeler's", e o massacre aos povos nativos, ou seja, os índios norte americanos como os Lakota e Chayenne.

Vale a pena ver por dois motivos, é bem feita, e conta com um pouco mais de realismo como se deu a questão da colonização, as dificuldades no processo, as mortes e os conflitos, os preconceitos e a matança indiscriminada aos povos nativos, similar ao que se passou no Brasil. Recomendo.


Sinopse
Essa superprodução Steven Spielberg, dividida em seis episódios, conta a marcha ao velho oeste norte-americano e a guerra entre índios e brancos, mas sob a ótica menos explorada pelas telas: a indígena.

A história conta como o jovem Jacob Wheeler, um branco do estado da Virgínia que vai ao oeste em busca de aventura, se une à índia lakota, batizada de Coração-de-Trovão. Jacob salva a índia de ser vendida como escrava e acaba se envolvendo. Esse romance é o ponto de partida para as histórias das duas famílias e de seus descendentes.

E o amor de Jacob e Coração-de-Trovão vira pano de fundo para a retratação de fatos históricos que aconteceram no período em que a ação no oeste era intensa. A corrida do ouro na Califórnia, a Guerra Civil, o desenvolvimento das ferrovias e a sobrevivência dos índios através da criação de manadas de búfalos são temas presentes na superprodução.

A luta entre brancos e índios e as conseqüências dos confrontos na visão dos chamados “selvagens” são temperadas com uma história de amor onde os opostos se atraem



Caprica (Caprica) - 2009



Mais uma série de ficção-científica do canal Syfy Chanel, aqui temos o que poderiamos chamar de gênesis da inteligência artificial. Uma garota cria um código de si mesma em um jogo virtual, após sua morte no mundo real, o seu código pretende trancender ao jogo e vir para o mundo real.

Nesse processo para escapar do mundo virtual, acaba por interagir com máquinas. Bem atual a temática da série. Boas atuações e a qualidade da série também é muito boa para uma série de TV. Por esse e outros motivos eu recomendo, os dois primeiros episódios não são muito empolgante, mas depois a série fica cada vez melhor.



Caprica é uma série de televisão cujo primeiro episódio foi ao ar nos Estados Unidos em 21 de abril de 2009 e é descrita como "a primeira saga de ficção científica da televisão", baseada no universo ficcional de Battlestar Galactica, 58 anos antes da história narrada na nova série de 2004.

Conta a história das Doze Colônias do Homem quando viviam em paz, em uma sociedade não muito diferente da nossa. Mas a alta tecnologia e o avanço na robótica trouxeram à tona o velho sonho humano de combinar inteligência artificial e corpos mecânicos para criar os primeiros robôs vivos - os cylons. A série vai girar em torno de duas famílias: os Adama (a família de William Adama, que um dia se tornará o comandante da Battlestar Galactica) e os Graystone. Caprica mistura aventura, intriga empresarial, futuro hipertecnológico e política nesta saga de ficção científica.

O episódio piloto da série foi liberado exclusivamente em DVD e download, a série ainda está em produção e vai ao ar no canal estadunidense Sci Fi Channel. A NBC está desenvolvendo o programa em conjunto com os produtores executivos de Battlestar Galactica - Ronald D. Moore e David Eick - e o roteirista de 24 (24 Horas) Remi Aubuchon, que escreveu o episódio-piloto da série. A primeira temporada se estendeu de janeiro a março de 2010, com apenas oito episódios. A segunda temporada iniciará em setembro de 2010.

Caprica vai ter abordagens mais emocionais, com foco nos dramas de relacionamento. "A velha história do homem rico e homem pobre vai atingir a nave espacial e seu meio", afirmou o produtor executivo e roteirista, Remi Aubuchon, que criou o longa com o já veterano do universo BSG, Ronald D. Moore.

O visual é nostálgico, uma coisa meio anos 50, com homens de chapéu, ternos estilosos. Não é só tecnologia e guerras estelares. Caprica é estrelado por Eric Stoltz como Daniel Graystone, uma espécie de Bill Gates com capacidades inventivas muito mais desenvolvidas. Esai Morales será um imigrante formado em direito, um advogado chamado Joseph Adama (o pai de William, de BSG), vindo do planeta Tauron.

“Eles são aproximados por um evento em comum: suas filhas foram assassinadas em um ataque terrorista envolvendo uma bomba,” disse Aubuchon. Mas a coisa muda quando Graystone traz a tona suas idéias relacionadas à robótica, que acabam tendo relação com os ancestrais dos cylons.

Sumário da primeira temporada

A primeira temporada se divide em duas vertentes, uma encabeçada por Zoe, fiha de Daniel Graystone, e a outra encabeçada por Tamara, filha de Joseph Adama. O seriado inicia com um ataque terrorista promovido pelo grupo religioso Soldados do Uno, que prega a existência de um só Deus, em contraposição aos muitos deuses das colônias (os mesmos da Grécia antiga). Zoe morre no atentado, mas logo se fica sabendo que ela havia criado um avatar de si mesma, uma cópia sua no mundo virtual comercializado por seu pai, uma espécie de Matrix disponível para todos como se fosse um videogame. Essa entidade virtual foi criada pelo prodigioso intelecto da jovem Zoe, que se utilizou de um algoritmo cujos parâmetros são registros escritos dela própria (como carteira de identidade e ficha médica) para reproduzir sua personalidade.

Esse mesmo algoritmo foi usado por Daniel para reproduzir a personalidade da filha de Adama, Tamara, também morta no incidente, porém o avatar não sabe que é uma entidade virtual e acredita por um bom tempo que é a Tamara original. Adama descobre que o avatar se refugiou em uma seção do mundo virtual chamada New Caprica City, uma versão da cidade real em clima de Chicago dos anos 30, sem leis e controlada por criminosos. Embora saiba que não é sua filha de fato, Adama vai atrás dela de modo obstinado.

Na outra vertente, Daniel aperfeiçoa o protótipo do primeiro cylon, mas se vê obrigado a roubar um chip de seu concorrente para fazer o androide funcionar. Isso desencadeia dois eventos: o avatar de Zoe se embute no chip para poder se mover no mundo real e o concorrente de Adama, do planeta Tauron, jura vingar as mortes causadas no assalto em que o chip foi roubado.

As duas famílias estão ligadas, dessa forma, não só pelo avatar de Tamara, mas também porque Daniel contratou o serviço de Adama e seu irmão, que vieram de Tauron e são mafiosos em Caprica, para roubar o chip. O pano de fundo é o fanatismo religioso dos Soldados do Uno, grupo de que Zoe fazia parte e que deseja o algoritmo dos avatares para recriar pessoas mortas no mundo virtual e trazer à humanidade uma perspectiva concreta de imortalidade.

A temporada se encerra com apenas oito episódios. Zoe foge do laboratório de seu pai e tenta chegar a Gemenon para cumprir uma missão que a verdadeira Zoe não tinha concretizado a serviço do grupo fanático. Tamara mata seu pai no mundo virtual, o que o impede de retornar a essa realidade no futuro; ela lhe diz que não deseja mais ser contatada e deixa Adama inconsolável, pois ele não consegue superar a morte da filha. Os membros dos Soldados do Uno brigam entre si pelo poder.

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Caprica_(s%C3%A9rie)


Stargate Universe (Stargate Universe) - 2009


Série do canal Syfy Chanel, onde várias pessoal vão parar em uma nave de nome Destino, que foi criada pelos "Antigos" (quem está familiarizado com a temática de Stargate sabe quem são os antigos), e está vagando de galáxia em galáxia. A história até o momento se passa com esses tripulante tentando achar uma solução para voltar pra casa, coisa um tanto complicada porque estão a muitos milhares de anos luz da Terra.

Boas atuações, a filmagem também é muito boa, narrativa interessante. Recomendo.

Sinopse:

Stargate Universe SGU, segue as aventuras de uma equipe de jovens e ainda inexperientes exploradores a bordo de uma nave dos Antigos chamada Destiny. Sem saber que ela está programada para percorrer vastas regiões não exploradas do Universo, o grupo fica preso na nave e precisa lidar com a nova realidade de que não voltará mais para a Terra. A idéia é que este tipo de situação sirva para trazer histórias mais íntimas e ligadas aos personagens, divergindo das tramas mais fechadas e cheias de ação das canceladas Stargate SG-1 e Stargate Atlantis.

Ficha Técnica:
Criadores: Robert C. Cooper e Brad Wright
Gênero: Ação/Aventura/Ficção-Científica
País: Canada/USA

Elenco:
Robert Carlyle ... Dr. Nicholas Rush / Justin Louis ... Everett Young / Brian J. Smith ... Matthew Scott / Elyse Levesque ... Chloe Armstrong / David Blue ... Eli Wallace / Alaina Huffman ... Tamara Johansen / Jamil Walker Smith ... Ronald Greer

Lost - Lost (2004)


Acho que todo mundo sabe do que se trata essa série, pois já está sendo exibida desde 2004. Apesar das críticas sobre a confusão e a falta de explicação dos mistérios da ilha, ainda acho Lost uma boa série, melhor do que muita porcaria que vemos por ai, sem contar que para mim o Lost é como o Matrix, foi o fato de Lost propor uma série mais elaborada e com qualidade técnica melhor, que fez com que várias séries surgissem com essas preocupações, portanto tem ainda os seus créditos.

Bom, já estamos na última temporada, da quinta temporada até o 10º capítulo da sexta, a série deu uma enfraquecida, mas parece que está melhorando novamente. Eu acredito que algumas coisas não seram solucionadas, mas de toda forma só vamos saber no final.

Pra quem não teve curiosidade de ver, ou para quem não conhece ainda, está a minha indicação, assistam, que é nó mínimo uma boa diversão.



Lost (traduzido para o português europeu, Perdidos) é uma premiada série de televisão estadunidense de drama e Ficção Científica que segue a vida dos sobreviventes de um acidente aéreo numa misteriosa ilha tropical, após o avião que viajava de Sydney, Austrália para Los Angeles, Estados Unidos cair em algum lugar do Oceano Pacífico.

A série tem um estilo único que segue dois tipos de histórias não ligadas entre si: primeiro, a luta dos 48 sobreviventes do desastre para sobreviver e viver juntos na ilha, e segundo, a vida das personagens principais, antes do desastre, através de retrospectivas pessoais, os flashbacks. Lost foi criada por Jeffrey Lieber, J. J. Abrams e Damon Lindelof, que é agora o escritor principal, e é filmada em Oahu, Havaí.[1] O episódio piloto foi ao ar nos EUA em 22 de setembro de 2004. Lost é produzida por ABC Studios, Bad Robot Productions e Grass Skirt Productions e é exibida pela Rede ABC em seu país de origem. A música incidental é produzida por Michael Giacchino. Os produtores executivos são Abrams, Lindelof, Carlton Cuse, Jack Bender, Jeff Pinkner e Bryan Burk. Por causa de seu vasto elenco e os custos de se filmar no Havaí, a série é uma das mais caras produzidas até hoje.

Sucesso de crítica e público, a série teve uma média 15,5 milhões de espectadores por episódio durante todo o seu primeiro ano de exibição, garantindo vários prêmios da indústria audiovisual, incluindo o Award Emmy para Melhor Série televisiva na categoria drama em 2005, melhor série americana importada na Academia Britânica de Prêmios Televisivos também em 2005 e o Golden Globe Award para Melhor Série (drama) em 2006.

A série foi logo agregada à cultura pop americana, por ser um fenômeno que encanta cada vez mais espectadores e mídias externas, como comerciais, revistas em quadrinhos, webcomics, revistas de humor e canções populares. O universo fictional da série foi explorado também através de novelas e de jogos de realidade alternativa, com o Lost Experience e o Find 815.

Em maio de 2007 foi anunciado que Lost continuará com a quarta, quinta e sexta temporadas, concluindo com o 121º episódio produzido em Maio de 2010. As três últimas temporadas consistirão-se de apenas 16 episódios, exibidos semanalmente sem interrupções ou reprises. No entanto, devido à Greve dos roteiristas dos EUA, a quarta temporada foi encurtada para 14 episódios, incluindo o episódio final de três horas (exibido em diferentes noites para não colidir com os términos de temporadas de Ugly Betty e Grey's Anatomy). A quarta temporada estreou no dia 31 de janeiro de 2008 nos Estados Unidos e terminou no dia 29 de Maio de 2008. Uma outra consequência da greve foi a decisão da ABC de prolongar o final duas temporadas de Lost, adicionando um décimo sétimo episódio de cada época restante.

Origem

Lost começou a ser desenvolvida em Janeiro de 2004, quando o então director do canal ABC, Lloyd Braun encomendou um roteiro inicial, baseado numa ideia que ele afirmava já ter há algum tempo, uma mistura do filme Cast Away e do reality show Survivor. Furioso com o resultado obtido na primeira e segunda tentativas, Braun contratou J.J. Abrams, criador da série cult Alias, para escrever um novo episódio piloto. Apesar de inicialmente hesitante, Abrams entusiasmou-se com o projeto e depois acabou por colaborar com Damon Lindelof, para criar o estilo próprio da série e das suas personagens. A gestação do programa esteve constrita a prazos apertados - pelo fato de ter sido iniciada próximo demais do início da temporada televisiva - no entanto a equipe criativa manteve-se sempre flexível para modificar ou criar personagens que se adequassem ao elenco de atores escolhidos.

O episódio piloto de Lost foi o mais caro da história da televisão, tendo custado entre 10 e 14 milhões de dólares. O programa tornou-se um dos maiores sucessos comerciais da televisão em 2004 e, juntamente com a outra série estreante da ABC, Desperate Housewives, ajudou a reverter a má fase do canal televisivo. No entanto, Lloyd Braun foi demitido pelos executivos da Disney, dona da ABC, por ter aprovado um projeto tão caro e arriscado.

Lost ganhou o Emmy Award for Outstanding Drama Séries e Abrams foi premiado com o Emmy em setembro de 2005 pelo seu trabalho como realizador. Em janeiro de 2006 ganhou o Golden Globe Award para Melhor Drama Televisivo. Em 2005, Lost foi escolhido por vários internautas de todo o mundo, como a melhor série de televisão.

Episódios e estrutura da série

Cada episódio começa geralmente com um cold open — uma técnica usada em televisão e cinema, que consiste em saltar diretamente para a história, no início ou abertura do programa, antes mesmo da sequência de títulos e créditos ser apresentada — precedidos por uma revisão do que aconteceu nos episódios anteriores dando segmento para a narrativa que se segue.

Numa conjuntura dramática, a tela fica preta e o título do programa ligeiramente desfocado, vai aproximando-se do espectador, ficando cada vez mais nítido ao mesmo tempo que se faz acompanhar por um som discordante e ameaçador (esta abertura é a da transmissão original, em outros países ela pode ser diferente).

Enquanto há uma continuidade geral da história, os eventos na ilha vão sendo intercalados, frequentemente, com histórias paralelas através dos flashbacks (a partir de determinado momento também flashforwards) que expandem a história a determinados personagens de cada episódio. Os flashbacks mostram um pouco da vida de cada personagem antes do acidente, e isso ajuda a desvendar alguns mistérios no desenrolar da história.

Muitos episódios começaram assim como o primeiro, com alguma pessoa abrindo seu olho (Jack em "Pilot, Part 1", Locke em "Walkabout", Jack quando garoto em "White Rabbit", Claire em "Raised by Another", Sun em "House of the Rising Sun", Jin em "…In Translation", Boone em "Hearts and Minds", Sawyer quando garoto em "Outlaws", Michael em "Special", Aaron em "Exodus: Parte 2", "Desmond em "Man of Science, Man of Faith", Juliet em "A Tale of Two Cities" e Claire em "Par Avion").

Alguns episódios terminam com uma reviravolta inesperada, repleta de suspense e tensão, revelada apenas segundos antes da imagem ser cortada e tudo ficar negro, assim aparecendo novamente o letreiro "Lost", mas agora mais nítido. Outros, os que incluem uma resolução para o enredo, terminam com uma cena final de reflexão que é acompanhado do corte para o letreiro.


Sinopse das Temporadas

1ª temporada (2004/2005)

A primeira temporada começou a ser transmitida nos Estados Unidos em 22 de Setembro de 2004 composta por 25 episódios.

O vôo 815 da companhia aérea Oceanic Airlines, cai na costa do que aparenta ser uma ilha tropical deserta, forçando o grupo de estranhos a trabalhar em conjunto para se manterem vivos. No entanto, a sua sobrevivência é ameaçada por vários mistérios, incluindo uma escotilha metálica enterrada no solo, uma criatura que vagueia pela selva e os habitantes da ilha conhecidos como "Os Outros". Os sobreviventes descobrem que um dos seus não é quem parece ser e encontram uma mulher francesa chamada Danielle Rousseau, cuja equipe naufragou há 16 anos.

2ª temporada (2005/2006)

A segunda temporada teve 24 episódios e começou a ser transmitida a 22 de setembro de 2005. Um tema prevalecente em toda temporada é o conflito entre fé e ciência.

A história continua 44 dias depois da queda do avião. É revelada a existência da misteriosa Dharma Initiative e o seu benfeitor, Hanso Foundation. Vários personagens novos aparecem, incluindo os sobreviventes da cauda do avião Ana-Lucía Cortez, Bernard, Libby e Mr. Eko. São igualmente apresentados Desmond um homem que tem que apertar um botão na escotilha digitando os números maus — 4, 8, 15, 16, 23, 42 — para salvar o mundo, um homem que diz chamar-se Henry Gale, e ainda outros habitantes da ilha. A verdade sobre os "Outros" começa a revelar-se e descobre-se um homem chamado ethan é um dos outros.

3ª temporada (2006/2007)

A terceira temporada teve 23 episódios e estreou em 4 de outubro de 2006.

O público conheceu mais sobre a Iniciativa Dharma e sua ligação com os "Outros". O mundo destas pessoas que viviam na ilha antes da queda do vôo 815 e seus mistérios é explorado. Outros temas recorrentes são o poder de clarividência desenvolvido por Desmond (envolvendo freqüentemente a morte de Charlie) e uma possibilidade real de resgate para os sobreviventes. A temporada incluiu vários novos personagens ao universo da série, como Paulo, interpretado pelo ator brasileiro Rodrigo Santoro; Juliet Burke, a misteriosa integrante do bando Os Outros; Naomi Dorrit, uma paraquedista que veio a ilha procurar Desmond; Greta e Bonnie, que cuidavam de uma estação que todos pensavam estar desativada, entre outros. Jack faz contato com um navio cargueiro, e todos esperam ser resgatados pelo navio.

4ª Temporada (2008)

A quarta temporada foi planejada (antes da greve dos Roteristas) para ter 16 episódios, iniciando sua transmissão nos Estados Unidos e Canadá no dia 31 de Janeiro de 2008. Devido à greve dos roteristas, a temporada foi concluída com 14 episódios, constituídos de 8 antes da greve e 6 pós-greve, retomados em 24 de Abril, nos Estados Unidos. Isso inclui um episódio final de 3 horas de duração denominado "There's no Place Like Home". A primeira parte foi ao ar na quinta-feira do dia 15 de Maio, e as partes 2 e 3, num especial de 2 horas, no dia 29 de Maio.[34] A quarta temporada de Lost difere e muito das outras temporadas, possuindo um "esquema" com mais suspense e mistérios. A narrativa mudou seu foco. Nesta temporada, um navio cargueiro estabelece contato com os sobreviventes com a intenção de resgata-los, porém ao decorrer dos episódios, temos em descoberta de que eles não são quem dizem ser, resultando em novos mistérios e conflitos entre os sobreviventes e os falsos salva-vidas. No fim, seis pessoas conseguem sair da ilha.

5ª Temporada (2009)

Nesta temporada, os sobreviventes vivem experiências catastróficas com o tempo e os seis da Oceanic que saíram da ilha no final da quarta temporada precisam voltar. Jin está vivo e descobrimos como Rousseau chegou à ilha, Ben divide-se ainda mais mostrando um outro caráter.

Kate está com problemas em relação ao Aaron, querem tirá-lo dela, mas na verdade se trata de apenas uma armadilha de Ben para convencê-la a voltar à ilha. Locke parte em missão para buscar os seis da Oceanic. Começamos a descobrir relações entre o pessoal do cargueiro e a Iniciativa Dharma. Locke é assassinado por Ben em Los Angeles. Os sobreviventes agora fazem parte da iniciativa Dharma de 1977.Sun está em 2007 com Frank Lapidus e Ben. Mais sobreviventes estão na ilha, resultado de outro acidente aéreo, que trouxe os oceanic six de volta à ilha, sob o comando de Ben, já que Locke foi assassinado por ele. Partes do grupo volta no tempo, para 1977, onde se integram à Iniciativa Dharma. Os demais permanecem em 2007, inclusive "Locke". O Inimigo de Jacob se materializa como Locke e engana todos para que consiga convencer Ben a matar Jacob. A identidade de Jacob é revelada. Ilana, Bram, Lapidus e os seguidores de Jacob revelam à Richard, Sun e aos Outros o verdadeiro John Locke, morto dentro de uma caixa encontrada no compartimento de carga do avião. Logo após o assassinato de Jacob, a temporada termina com Juliet explodindo uma bomba de hidrogênio após ser sugada pela energia da Estação Cisne. Após a explosão, a tela fica branca e o letreiro de Lost vai ficando mais nítido com o passar dos segundos, e então o episódio termina.

6ª temporada (2010)

Em maio de 2007, o presidente da ABC Entertainment, Stephen McPherson, anunciou que Lost terminará em 2010. "Nós sentíamos que esta era a única maneira de dar a Lost um final criativo e apropriado", disse McPherson. Começando com a temporada de 2008, haverá 48 episódios até o final da série, programados para serem transmitidos em três temporadas: 4ª temporada (14 episódios), 5ª temporada (17 episódios) e 6ª temporada (17 episódios), que será a última. Estas temporadas começaram em 2008 e vão até 2010, com um intervalo de sete meses entre cada. Nos Estados Unidos, as temporadas iniciam-se em janeiro e terminam em maio.

O aviso da ABC foi chamado de "sem precedentes" pelos produtores executivos Damon Lindelof e Carlton Cuse. Lindelof e Cuse também disseram que "Lost tem um início, um meio e um fim". O co-criador J.J. Abrams também elogiou a decisão, comentando que "é a opção apropriada para a série e seus telespectadores. Aplaudo a ABC e Touchstone Television pela decisão".

A trama da sexta e última temporada de lost se baseia no confronto entre dois adversários, os quais supostamente trabalham a mente dos losties. Um deles é Jacob, agora morto, e o outro é seu rival, que descobrimos também ser o monstro de fumaça. Nessa temporada além de termos flashbacks e flashforward, temos também flashsideways, que são nada mais nada menos do que eventos que acontecem numa realidade paralela, na qual os Losties nunca caíram na ilha, que se encontra submersa.

Com o passar do tempo, parece que os personagens da realidade paralela começarão a ter recordações da realidade na qual eles caíram na ilha. Resta saber onde essas duas realidades irão se encontrar.

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Lost_(s%C3%A9rie_de_televis%C3%A3o)

quarta-feira, 5 de maio de 2010

V (V) - 2009


Refilmagem de duas séries dos anos 80. Trata de aliens que chegam a terra com a promessa de serem "Sempre Pacíficos", mas por trás maquinam um plano de dominação. Como sempre alguns descobrem o plano e começam a formar uma resistência, que aqui é realizada por um visitante rebelde, uma agente  da polícia, um padre e uma espécie de terrorista procurado pelo FBI.

Boas atuações, a personagem Ana chefe dos visitante é brasileira. Qualidade gráfica boa e de filmagem também. Pra quem curte a temática vale a pena.

Sinopse:

V é um remake de duas clássicas minisséries de sci-fi dos anos 80, que ficaram conhecidas no Brasil com o nome V - A Batalha Final. A série mostrará a chegada na Terra dos Visitors, alienígenas que anunciam ter intenções amigáveis, mas no fundo planejam dominar o planeta. Scott Peters (The 4400) assina esta série para a Warner Bros., que tem no elenco Elizabeth Mitchell (Lost), Joel Gretsch (The 4400), Morena Baccarin (Firefly) e Scott Wolf (The Nine).

Ficha Técnica:
Gênero: Drama, Ficção-Científica / País: USA

Elenco:
Elizabeth Mitchell ... Erica Evans / Morris Chestnut ... Ryan Nichols / Joel Gretsch ... Padre Jack Landry / Lourdes Benedicto ... Valerie Stevens / Logan Huffman ... Tyler Evans / Morena Baccarin ... Anna (líder dos visitantes) / Laura Vandervoort ... Lisa (visitante) / Scott Wolf ... Chad Decker (reporter)

Paradox (Paradox) - 2009


Série inglesa que acompanha 3 agentes e um físico, que tentam resolver acontecimentos futuros. Fotos são enviadas por satélite até o laboratório do físico Christian após explosões solares, mas essas fotos são de incidentes que ainda não aconteceram, principalmente eventos envolvendo a morte de alguns dos personagens.

Boas atuações, e alguns embates entre ciência e religião. Recomendo.

5 episódios por temporada. Para quem não tem muito tempo e não gosta de acompanhar séries longas, pode ser uma opção.


Sinopse:

Paradox, série inglesa a ser exibida pela BBC One, está sendo considerada pela imprensa como uma versão para a tv de Minority Report.A nova série, que teve cinco episódios encomendados para a primeira temporada, é escrita por Lizzie Mickery, e contará a vida de Rebecca Flint, uma detetive de polícia que comanda investigações que serão cometidas no futuro - a intenção é evitar o crime, antes que ele aconteça.Além da correria policial, os roteiristas prometem boas doses de astrofísica e uma revolução na condução de histórias de ação.

Ficha Técnica:
Diretor: Simon Cellan Jones / Data Release: Novembro 2009 (Reino Unido)
Gênero: Ficção-Científica / Duração dos episódios: 60 min
País: Reino Unido

Elenco:
Tamzin Outhwaite ... Rebecca / Emun Elliott ... Christian King
Mark Bonnar ... Ben / Chiké Okonkwo ... Callum Gada

Misfits (Misfits) - 2009


Série inglesa de ficção onde cinco delinguentes juvenis são atingidos por um raio e ganham poderes com o de ler a mente um do outro ou voltar no tempo. O primeiro episódio é um pouco sem graça mais depois fica interessante, com bastante humor no estilo dos ingleses.

Bons atores, e agumas críticas as futilidades que vemos aos montes por ai. São cinco episódios por temporada, então vale a pena assitir, até mesmo porque ajuda a esperar por outras séries melhores e filmes.

Sinopse:

Um quinteto de desajustados de vinte e poucos anos está cumprindo pena de serviços comunitários quando uma estranha tempestade - chovem carros, inclusive - cai sobre eles. Depois, eles aos poucos vão descobrindo que ganharam poderes como invisibilidade, telepatia, viagem no tempo e despertar a libido de outros violentamente (!). O quinto membro ainda não descobriu seu poder. Nada de Heroes. E nem de No Heroics, a deturpação cômica dos superpoderosos também produzida pelos britânicos. A referência mais próxima de Misfits é Skins, seriado teen de grande sucesso lá fora por trazer realismo total à representação da vida dos adolescentes ingleses, sem restrições a sexo, drogas ou linguagem pesada. Curiosidade: todos os personagens do seriado têm perfis no Twitter e escrevem durante cada episódio.

Ficha Técnica:
Escritor: Howard Overman / Data Release: 12 Novembro 2009 (Reino Unido)
Gênero: Comédia, Drama, Fantasia, Ficção-Científica
Duração dos episódios: 60 min / País: Reino Unido

Elenco:
Lauren Socha ... Kelly / Robert Sheehan ... Nathan / Nathan Stewart-Jarrett
Antonia Thomas